Senador confirma que denúncias de Cuiabá serão incluídas em “relatório paralelo”

Marcos Rogério apresentou a CPI da Covid no Senado Federal requerimentos para ouvir os três ex-secretários da capital sobre irregularidades com recursos federais

O senador da República, Marcos Rogério (DEM-RO), afirmou em entrevista a Rádio Capital FM nesta quinta-feira (19.08) que os parlamentares da base do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) devem elaborar um “relatório paralelo” ao que deve ser feito pelo relator da CPI da Covid, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), ao fim dos trabalhos da comissão.

Marcos Rogério protocolou requerimento na CPI para convocar os três ex-secretários de Cuiabá, Célio Rodrigues da Silva, secretário de Saúde de Cuiabá, e Alexandre Beloto Magalhães de Andrade, ambos afastados dos cargos pela Polícia Federal. O senador confirmou que neste “relatório paralelo” deve incluir as denúncias de irregularidades com recursos federais nos estados e municípios.

“Haverá um relatório do senador Renan Calheiros e haverá um relatório paralelo que vamos trabalhar. Nós vamos inserir denúncias sobre aquilo que nós recebemos de documentos, se os documentos que foram encaminhados tiver condições de demonstrar e como foi orquestrada toda essa ação criminosa, havendo elementos mínimos que nos de a possibilidade de afirmar o que houve e como houve nós vamos colocar no relatório. Se você tiver os documentos, cópias de contratos, denúncias, pode encaminhar ao nosso gabinete e oficialmente a CPI para que a gente possa fazer uso dos documentos. De preferência com protocolo de forma oficial a gente pode fazer uso deles sim”, respondeu Marcos Rogério a pergunta do vereador Diego Guimarães (Cidadania).

O senador afirmou que é importante apurar as denúncias de irregularidades dos municípios, uma vez que de acordo com Marcos Rogério, é um volume considerado de dinheiro que foi movimentado e por isso é importante ouvir os gestores afastados.

“Nós tivemos recentemente uma sequência de denúncias que tenha havido irregularidades na aplicação de recursos no enfrentamento da pandemia da covid-19. E assim como nós fizemos em outros estados em que tivemos situações parecidas, apresentamos requerimentos primeiro solicitando informações ao que realmente aconteceu, mas também apresentando esses requerimentos para a comissão dos três ex-secretários”, disse.

Marcos Rogério ainda completou com a fala que como o foco da CPI é o Governo Federal e o presidente Bolsonaro, os requerimentos solicitando depoimentos de pessoas ligadas às denúncias dos estados e municípios, ficam em segundo plano.

“Você deve acompanhar que o chamado G7 não está deixando avançar nas investigações para estados e municípios, o foco deles é todo no Governo Federal, o presidente de República. A mira é Bolsonaro”, finaliza.

Leia também

Deixe seu comentário!