Pôssas disse que a expectativa é que até a próxima semana Cuiabá disponibilize mais 40 leitos,

Secretário diz que 50 pessoas aguardam UTI em Cuiabá e hospital de campanha é discutido

Por Max Aguiar

Está cada vez maior o número de pessoas que estão infectadas pela Covid-19 na capital e, infelizmente, não tem mais leitos de Unidades de Terapia Intensivas (UTIs) para acolher novos pacientes.

Em declaração para a Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores, o secretário Luiz Pôssas de Carvalho confirmou que nesta quarta-feira (1), pelo menos 50 pessoas estão na fila de agendamento aguardando vaga para internação. 

"Hoje, quarta-feira, temos 50 pessoas na fila aguardando uma vaga de UTI e não temos. Lutamos todos os dias para salvar vidas. Mas estamos em período de pandemia. Pandemia é diferente. Precisamos unir forças", disse o secretário. 


Secretário Municipal de Saúde, Luiz Pôssas de Carvalho / Reprodução

Pôssas disse que a expectativa é que até a próxima semana Cuiabá disponibilize mais 40 leitos, sendo todas no Hospital Referência à Covid-19, antigo Pronto-Socorro de Cuiabá. 

"Estamos aguardando a instalação até a próxima semana da instalação de mais 40 leitos. Temos dificuldade para compra de bombas infusão. Esse equipamento é o essencial para criar uma UTI. Mas, esperamos resolver em breve", comentou. 

Segundo o secretário, não foi comprado nenhum respirador por parte da prefeitura, pois os fornecedores estão cobrando 4 ou 5 vezes a mais do valor de mercado e isso o faria responder por processo administrativo.

"Tudo que temos, conseguimos com o Ministério da Saúde. Foi gestão política. Não compramos nenhum respirador. Os preços estão acima e depois o processo vem em nós", comentou. 

Questionado por vários vereadores, o secretário ainda disse que já está em estudo uma possível instalação de um hospital de campanha nas imediações da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Verdão.

"É um coisa que está em estudo, porém será gestão compatilhada, com União, Estado e Cuiabá. Precisamos unir forças, mas a população nesse momento tem que ter consciência. É necessário que todos que puderem, fiquem em casa. Estamos em pandemia, sem cura e sem leitos. Um hospital de campanha é coisa de futuro. Não temos como estalar os dedos e fazer criar um leito", explicou. 

Por último, Pôssas de Carvalho disse que nesse momento, mesmo sem aval dos médicos do Comitê de Enfrentamento ao Covid, o Município já adiquiriu 100 mil kit-covid, que serão disponibilizados nos postos de saúde e policlínicas de Cuiabá. 

"O kit é algo contestado. Estamos indo na contrariedade dos médicos do nosso Comitê. Mas, entendemos que é algo que precisa de procedimento antecipado. Por isso compramos e semana que vem já começa a ser distribuído em Cuiabá", concluiu o secretário.

 

Leia também

Deixe seu comentário!