Política

Mauro Mendes diz que Emanuel vai perder se insistir em ‘barrar’ o BRT

Publicado em

Mauro Mendes Emanuel Pinheiro

O governador Mauro Mendes (DEM) demonstrou não se importar com o anúncio do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), de que irá tentar ‘barrar’ a implantação do Ônibus de Trânsito Rápido (BRT), na capital.

“Já perdeu tantas, perder mais uma não tem problema não”, disparou Mauro, durante entrevista à imprensa, nesta sexta-feira (28.01)

Nesta quinta-feira (27.01), Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra-MT), reabriu o processo licitatório para contratação das obras do modal, movido à eletricidade, em Cuiabá e Várzea Grande. Em entrevista ao Jornal A Gazeta, Emanuel disse que vai reverter a decisão do Estado na Justiça.

Leia também: Emanuel Pinheiro quer barrar BRT e acredita que vai reverter na Justiça

“Todas as medidas no sentido de resguardar os direitos de Cuiabá a prefeitura já tomou e estão no âmbito da justiça e dos órgãos de controle e aguardamos para o mês de fevereiro. Estamos demonstrando que a vantagem econômica na troca do modal cai por terra quando o governo antecipa a quitação do contrato gastando mais de R$ 500 milhões e elevando o custo final do modal para quase R$ 2 bilhões. O que derruba a tese de vantagem econômica na escolha do sistema”, afirmou o prefeito.

Leia Também:  Mauro se diz decepcionado com Bolsonaro, critica PT e afirma que próximo presidente precisa ser corajoso

Segundo o Governo do Estado, a decisão de mudança do modal foi baseada em dados técnicos. A obra está estimada em R$ 480.500.531,82. Entre as vantagens do BRT defendidas pelo governador Mauro Mendes (DEM) está uma tarifa mais acessível em relação ao VLT, a possibilidade de expansão para outros regiões e um custo menor de construção.

Quando a decisão do Estado foi anunciada no final de 2020, o prefeito de Cuiabá chegou a articular com a Câmara Municipal a aprovação para um plebiscito para a escolha do modal. Mas a alternativa foi descartada pela Justiça Eleitoral, que considerou ser uma decisão que cabe ao Governo do Estado, já tendo sido aprovada pela Assembleia Legislativa.

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

CIDADES

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI