Derek Chauvin, filmado com joelho sobre pescoço do ex-segurança, agora irá responder por homicídio em segundo grau.

Policiais envolvidos na morte de George Floyd têm acusações ampliadas

G1

O ex-policial Derek Chauvin, filmado com o joelho sobre o pescoço de George Floyd na ação que causou a morte do ex-segurança, teve sua acusação aumentada para homicídio em segundo grau (assassinato intencional não premeditado, quando o autor tem intenção de causar danos corporais à vítima) pelo promotor-geral de Minnesota, Keith Ellison.

Policial foi filmado com o joelho sobre o pescoço de George Floyd — Foto: AFP/Facebook / Darnella Frazier
Foto: AFP

Os outros três policiais que também participaram da ação serão detidos e receberam acusações de ajudar e favorecer homicídio em segundo grau, segundo o advogado da família Floyd, Benjamin Crump. Thomas Lane, J. Kueng e Tou Thao tinham sido demitidos, mas não haviam sido presos nem acusados anteriormente.

Chauvin tinha sido preso e acusado de homicídio culposo (sem intenção de matar) e assassinato em terceiro grau (quando se considera que o responsável pela morte atuou de forma irresponsável ou imprudente).

Floyd morreu em 25 de maio após ser filmado com o pescoço prensado pelo joelho de Chauvin em Minneapolis. O ex-segurança, que era negro, foi alvo da operação policial por supostamente tentar pagar uma conta em uma mercearia com nota falsa de US$ 20, segundo a imprensa norte-americana.

A ação durou mais de oito minutos, e Floyd repetiu que não conseguia respirar, até que ficou inconsciente.

A família de Floyd afirmava que a acusação não era suficiente e pedia que fosse ampliada para homicídio em primeiro grau (com a intenção de matar) e que os colegas de Chauvin também fossem acusados.

Segundo o advogado da família, Benjamin Crump, as novas acusações são um "momento agridoce", já que, apesar da tristeza pela morte, eles se sentem gratos pela ampliação. Ainda de acordo com Crump, o promotor afirmou que, caso existam evidências que justifiquem, a acusação de Chauvin ainda pode ser elevada a homicídio em primeiro-grau.

Embora apenas Chauvin apareça no vídeo, com o joelho sobre o pescoço de Floyd, Lane, Kueng e Thao também ajudaram a imobilizar a vítima, segurando o corpo do ex-segurança.

Causa da morte

A autópsia inicial, apresentada pela cidade de Minneapolis, afirmava que não havia "nenhum achado físico que suporte o diagnóstico de asfixia traumática ou estrangulamento".

Porém, dois novos laudos de autópsias declararam que a morte de Floyd foi um homicídio causado por asfixia.

Uma delas foi divulgada pela família de Floyd, que contratou um legista independente. Segundo advogados, o exame apontou que a compressão do joelho policial sobre o pescoço cortou o fluxo de sangue para o cérebro do ex-segurança. Além disso, o peso sobre as costas da vítima dificultou sua respiração.

A segunda, assinada pelo departamento legista do Condado de Hennepin, afirma que o ex-segurança morreu por "parada cardiopulmonar agravada pela compressão do pescoço a que foi submetido enquanto estava restrito pelo agente da lei".

 

Protestos

A ação policial que culminou na morte de Floyd foi filmada e as imagens geraram revolta e protestos que se espalharam por todos os EUA e pelo exterior. Diversas cidades chegaram a decretar toque de recolher e acionaram a Guarda Nacional para tentar conter os distúrbios, e mais de 9 mil pessoas foram detidas.

Leia também

Deixe seu comentário!