“Ninguém comprou Sinop para mandar em posicionamentos”, afirma vereadora após ataques de bolsonaristas

A parlamentar também aponta machismo sofrido e tem apoio de deputados petistas
Foto: Reprodução

Única vereadora mulher por Sinop, Professora Graciele (PT), criticou as atitudes dos bolsonaritas depois de ataques e ofensas sofridas por manifestantes que instalaram outdoors com mensagens antigoverno do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Queria entender por que que o nosso município, e aí eu vou parafrasear o governo do PSDB aqui no município de Sinop, que é terra de toda gente, não consegue aceitar o contraditório, não consegue aceitar que ninguém aqui comprou essa cidade pra mandar qual vai ser o posicionamento de todos os sinopenses e que, portanto, temos sim opiniões divergentes”, disse durante o pequeno expediente na sessão ordinária na tarde desta segunda-feira (31/05).

Cerca de 10 painéis foram colocados em diversos pontos da cidade e entre as mensagem estavam os preços do combustível, alimentos como arroz, carne, além do valor do botijão de gás. “Do mesmo jeito que as pessoas de direita têm o direito de se expressar, as pessoas de esquerda têm, quem  quiser se manifestar, livre expressão, liberdade de expressão”.

Os outdoors foram instalados por uma gráfica contratada por Sindicatos de professores das Universidades Federal e Estadual (UFMT e UNEMAT). Após a instalação das placas, a empresa retirou os painéis, pois sofreu ataques, inclusive de clientes, ameaçando romper contratos.

A parlamentar questionou o fato da censura contra opiniões divergentes à condução do governo federal, que neste caso, interferiu comercialmente em um estabelecimento privado. Graciele também relembrou que em Sinop no ano passado  já foram instalados outdoors em favor do presidente Bolsonaro, que foram alvo de investigação do Ministério Público Federal.  

“Minha solidariedade à todas as pessoas que sofreram ataques, incluindo o empresário, que até onde eu sei é o termo que vocês adoram usar, bolsonarista, mas foi atacado mesmo assim pelos seus pares, porque aceitou fazer aquilo que a empresa dele tem a obrigação de fazer que é receber o dinheiro e executar o serviço, pasmem, até quando, até onde nós vamos ter que aceitar isso. Agora nem as empresas têm o direito de executar aquilo que elas estão colocadas para executar? E os outdoors que estão espalhados do Bolsonaro, esses podem?”, questionou na tribuna.

 

Machismo
Ainda durante a fala no pequeno expediente e sobre a instalação dos outdoors, a petista apontou o machismo que vem sofrendo. Graciele afirma que apoiou, contudo não tomou frente no pedido para que as placas fossem montadas, assegura também que tem sido atacada com xingamentos e assegura ter registrado Boletim de Ocorrência.

“Tivemos várias pessoas envolvidas na instalação dos outdoors, agora vocês viram alguém detonando com algum dos homens envolvidos? Sabe como é que se chama isso? Machismo, covardia, porque é só a professora Graciele, que inclusive, embora eu apoie totalmente a ação que fizeram, não assinei a confecção dos outdoors, mas porque que bateram na professora Graciele, ora, deixem de ser covardes, aprendam a ter justiça”.

 

Apoio político
Por meio de nota, a deputada federal Professora Rosa Neide (PT) veio a público manifestar apoio à vereadora Graciele. “Professora Rosa Neide repudia a censura, o ataque à democracia e a liberdade de expressão, praticados contra a gráfica e os Sindicatos que promoveram à campanha. A deputada também repudia a perseguição e os ataques sofridos contra a vereadora, muita das vezes em tom machista e misógino. Rosa Neide está ao lado de Graciele, ombro a ombro, na luta por democracia, justiça social, liberdade de expressão e de opinião”.

Presidente do PT em Mato Grosso, deputado estadual Valdir Barranco, prestou apoio a vereadora de Sinop após os ataques. “Não podemos tolerar esse ímpeto fascista que tenta censurar manifestações pacíficas, que são garantidas pela Constituição. Quaisquer tentativas de impedi-las representam um grave atentado à democracia do nosso país”, publicou nas redes sociais.

O deputado petista Ludio Cabral também prestou solidariedade e escreveu nas redes sociais que “o ódio bolsonarista instalado em Sinop escolheu a nossa companheira Graciele, professora e vereadora combativa, como alvo dos ataques em resposta à campanha de várias entidades populares contra o desgoverno nacional que expõe a nossa população à fome, à doença e à morte”.

Leia também

Deixe seu comentário!