O ministro lembrou que isso já ocorreu antes, quando a febre aftosa foi usada para barrar exportações do Brasil.

Ministro de Bolsonaro vê uso político; 'É barreira contra exportação'

Redação

Em Cuiabá, na manhã desta segunda-feira (28), o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni destacou que as queimadas que ocorrem no Pantanal têm sido usadas para boicotar o país no mercado internacional. O ministro lembrou que isso já ocorreu antes, quando a febre aftosa foi usada para barrar exportações do Brasil.

“Até o início dos anos  2000 a maior barreira comercial do mundo chamava aftosa. (...) Foi  usado uma barreira como barreira comercial por décadas e como nós controlamos a doença no Brasil, o que acontece é a troca de barreira e qual é a barreira hoje? É a mentira sobre o meio ambiente, é  a mentira sobre a preservação da floresta. E se faz o que? Se veio  do Brasil não coma, não consuma. Isso faz o que? Faz com que haja redirecionamento do comprador. Tem que ser claro que é isso”, declarou.

Em coletiva à imprensa, o ministro argumentou que o Brasil é exemplo de preservação ambiental e produção agropecuária.

“Nosso país tema a maior cobertura vegetal do mundo, tem a maior cobertura florestal do mundo. A produção de Mato Grosso é a produção que usa o menor volume de substâncias químicas. Temos o boi mais verde do mundo, criado no pasto”, destacou ao comentar que os países europeus que hoje atacam o Brasil destruíram sua vegetação.

O ministro esteve em Mato Grosso para lançar o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). O evento foi realizado no Palácio Paiaguás e formalizou a liberação de recursos na ordem de R$ 10,6 milhões pelo Ministério da Cidadania a serem investidos na compra de itens alimentícios produzidos por produtores familiares, cooperativas e associações.

Leia também

Deixe seu comentário!