Mauro afirma que não fica fazendo pedidos para Bolsonaro e não vai cobrar nada de presidente em Cuiabá

O governador de Mato Grosso disse ainda que estado quer dar um presente ao governo federal com estadualização da BR-174
Foto: Anderson Hentges

Chefe do Palácio Paiaguás, Mauro Mendes (DEM), afirma não ficar fazendo ‘rame rame’ em Brasília e que não faz pedidos para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O governador de Mato Grosso esteve, pelo menos duas vezes, na capital federal nesses últimos dias para alinhamentos e reuniões sobre infraestrutura.

 “Primeiro que eu não sou homem de ficar pedindo muito não, sou homem de trabalhar, de fazer a lição de casa, fazer o meu dever como governador e temos feito. Eu não fico indo muito a Brasília, com rame rame lá, faço aqui o trabalho”, disse em coletiva de imprensa na tarde desta quarta-feira (18/08).

Mauro se usa como exemplo e avisa os prefeitos dos 141 municípios de Mato Grosso que o estado irá contribuir com o desenvolvimento de todos. “E falo isso para alguns prefeitos, parem de ficar andando à toa, ficar vindo pra capital aqui, a solução do seu município está no seu município. O governo federal, ou o governo estadual podem ajudar e nós estamos ajudando e vamos ajudar a todos, não vai ter um município de Mato Grosso que não terão várias obras, várias ações do governo do estado”.

As falas de Mauro Mendes estão relacionadas ao questionamento se fará algum pedido específico ao presidente Jair Bolsonaro, que estará em Cuiabá na manhã dessa quinta-feira (19/08), para participar do Seminário Regional Etnodesenvolvimento, promovido pela Funai. “A priori não tenho nenhum pedido a fazer”, assegura Mendes.

No dia 27 de julho, Mauro esteve em Brasília e pediu ao presidente uma autorização para que o governo estadual pudesse investir no Parque Chapada dos Guimarães. Quem faz a gestão é o Instituto Chico Mendes (ICMBio), órgão da União. A solicitação foi atendida.

Na mesma viagem, o governador democrata também pediu a estadualização da BR-174, para asfaltar aproximadamente 300 km da rodovia que dá acesso a Colniza.

Nessa terça-feira (17/08), Mauro retornou a capital brasileira e se reuniu com o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira. Conversou sobre uma Medida Provisória (MP) que poderia impedir a concessão estadual da Ferronorte, ferrovia que vai ligar Rondonópolis a Lucas do Rio Verde, passando por Cuiabá e Nova Mutum.

Essa solicitação, segundo Mendes, também foi atendida com severidade. “Ele foi categórico em dizer para os nossos senadores que Mato Grosso não seria prejudicado com nenhuma medida provisória, simples assim”.

Ainda na manhã dessa terça, o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas havia afirmado durante uma audiência Pública no Senado, que Mato Grosso não seria prejudicado. “Mas como diz o outro, o seguro morreu de velho, a gente foi lá, cuidou, tentou amarrar todas as pontas pra evitar que alguma surpresa que não fosse ao encontro com o nosso objetivo, que é, ao final do mês de setembro poder estar assinado o contrato, dando a ordem de serviço para iniciar a construção dessa importante ferrovia”.

Em Brasília nessa terça, novamente entrou em pauta a BR-174. “Não é um pedido, nós estamos dando um presente para o governo federal, afinal de contas nós estamos pegando uma obrigação deles de asfaltara um rodovia federal e dizendo, me dá pra mim fazer, e vai economizar R$ 900 milhões de reais, o que era uma obrigação, eu poderia ficar aqui só criticando o governo federal”, conclui o governador.

Leia também

Deixe seu comentário!