As expectativas de 2021 comerciais são muito boas

Fecomércio avalia 2020 como ano de aprendizado e pede revisão da carga tributária

Entrevistado do Jornal da Capital 2ª edição, nessa quinta-feira (14.01), o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio), José Venceslau, avalia 2020 como um ano de muito aprendizado para empresários e muitos setores ainda estão fragilizados por conta da pandemia do novo coronavírus. Para este ano, ele acredita que é preciso rediscutir a carga tributária do estado.

“Foi um ano divisor de águas. Nós aprendemos muito. Passou o ano com o comércio muito fragilizado, principalmente os setores de bares, eventos, escolas. Aquelas escolas que as mãe deixam os filhos e esse setor está muito fragilizado. Chegamos ao final do ano com várias ações e Fecomércio sempre à frente. Mostrando para nossos governantes que teria que ficar aberto o comércio, porque estamos mantendo emprego, renda e pagando impostos”, avaliou Venceslau.

Segundo o presidente, os empresários acreditavam que 2020 seria um ano de retomada da economia, mas a alta do dólar, pandemia e a carga tributária prejudicaram muitos setores. “Isso mudou tudo. Tivemos lockdown e tivemos que reinventar nosso negócio”.

Para este ano, Venceslau acredita em um cenário mais positivo e, com isso, a Fecomercio já tem realizado reuniões com a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), como forma de sensibilizar os deputados quanto a uma revisão da carga tributária. 

“Nossa tributação está inviável e o maior concorrente nosso é a internet. Precisamos de uma alíquota de ICMS justa. Começamos 2021 com reunião da Assembleia mostrando isso. As expectativas de 2021 comerciais são muito boas, porque esse consumidor que ficou em casa e deixou de consumir, a hora que ele volta pro mercado ele volta muito forte. Então precisamos preparar nossos comércios para receber esse novo consumidor”. 

Intenção de consumo
Pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em parceria com o Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio (IPF-MT), mostra que a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) com referência ao mês de janeiro, atingindo 73,5 pontos contra os 71,2 pontos do mês anterior. 

Conforme o levantamento divulgado pela Fecomércio nesta sexta-feira (15.01), esta é a quinta melhora consecutiva da pesquisa depois de registrar o pior resultado da história, em agosto de 2020, com 57,2 pontos.

Leia também

Deixe seu comentário!