Barbudo diz que Alexandre de Moraes barrou Ferrogrão por motivos escusos

O deputado federal chamou o ministro de lobista e defendeu desburocratização para que a Ferrovia e outras obras de infraestrutura sejam liberadas

O deputado federal, Nelson Barbudo (PSL), defendeu a desburocratização dos projetos de infraestrutura no Brasil durante entrevista à Rádio Capital FM nesta quarta-feira (05.05). Barbudo reforçou que o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, teve motivos escusos para barrar a Ferrovia Ferrogrão.

“O ministro Alexandre de Moraes é lobista. Ele é lobista. Com todo respeito ao ministro e com todo o respeito ao STF. As atitudes das pessoas que se vestem da toga dão margem para que nós possamos falar que trabalham com motivos escusos. As atitudes do ministro são no mínimo arbitrárias. Eu não consigo provar que ele é lobista mas sabemos porque ele barrou a Ferrogrão. Eu não posso revelar, mas as entranhas do Poder sabem”, declara.

A Ferrogrão é uma ferrovia com 933 quilometros de expansão e vai custar R$ 21,5 bilhões aos cofres públicos. A ferrovia liga Sinop, no norte de Mato Grosso, ao Porto de Miritituba no Pará e foi projetada para escoar a produção agrícola de forma mais rápida para fora do país.

O Supremo Tribunal Federal, por meio do ministro Alexandre de Moraes, suspendeu em março o andamento da obra ao revogar os efeitos da Lei 13.452/2017, que teve origem na Medida Provisória (MP) 758/2016, em que foram alterados os limites e excluídos 862 hectares do Parque Nacional do Jamanxim, no Pará. O ministro assinalou que a alteração territorial em unidade de conservação não poderia ter sido realizada por meio de medida provisória.

Na avaliação do deputado que o licenciamento ambiental e a regularização fundiária são os dois temas mais importantes para Mato Grosso, em razão, da diminuição da burocracia.

“O licenciamento ambiental está para ser votado na Câmara e o relator do projeto é o nosso companheiro Neri Geller. Pode ter algum problema, mas no máximo até semana que vem será votado. Nós estamos mudando completamente as regras do jogo. Hoje por exemplo se a Prefeitura quiser construir uma ponte de um bairro a outro não consegue. A burocracia é demais”, disse.

Leia também

Deixe seu comentário!