‘Não usarei a máquina para perseguir’, diz Emanuel sobre servidora que o denunciou

Elizabeth já está com contrato de trabalho expirado

em 14/01/2020

Por Carlos Gustavo Doriléo - Olhar Direto

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) disse que apesar de já ter acionado advogados para processar a servidora municipal Elizabete Maria de Almeida, por ela ter mentido em denúncia contra ele feita na Polícia Civil, não irá usar a máquina pública para persegui-la.

Resultado de imagem para prefeito cuiaba
Prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) / Reprodução/Internet

A servidora, que está licenciada para tratamento médico, disse em depoimento que participou de uma armação contra o prefeito, semanas depois de acusá-lo de subornar vereadores da base no processo de cassação do vereador oposicionista Abilio Junior (PSC).

“Meu sentimento é de indignação e de revolta. O que esta mulher fez, patrocinada por não sei quem, e isto as investigações vão desvendar, é um ato criminoso, um ato perverso de maldade pura. A que ponto chega a maldade do ser humano, a vontade de destruir por destruir, de mentir, de caluniar, de inventar. Foi algo que me revoltou bastante, expor uma mentira. Ela teve a coragem que beira a loucura. É uma psicopata. Se é que tem gente por trás dela, não sei, mas tudo leva crer que tem. Meus advogados já estão tomando todas as medidas e com certeza muitas coisas vão ter que ser decidida na justiça, porque isso não ficará impune”, disse o prefeito nesta segunda-feira (13), garantindo que não perseguirá a servidora, que já está com seu contrato expirado.

“Eu não posso misturar o gestor Emanuel Pinheiro da situação pessoal que esta servidora promoveu. Já mandei inclusive um parecer para Procuradoria Geral do Município da situação dela e fui informado que ela era seletivo e seu contrato expirou. Então deve ser desligada naturalmente. Eu não vou usar a máquina para perseguir. Mas uma servidora como esta não pode ter o contrato renovado, até pela conduta dela, mas todo o trâmite será respeitado”, assegurou.

Lotada na Secretaria Municipal de Saúde, a servidora, a princípio, denunciou ter recebido ordens de uma superior para estar no condomínio do vereador Juca do Guaraná (Avante), onde segundo a ela estavam sendo armadas ações contra o vereador Abílio Junior, que passa por um processo de cassação de mandato na Comissão de Ética e Decoro Parlamentar. Neste suposto encontro teria ocorrido a ‘compra de votos’ para cassar o vereador Abílio Junior, por parte do prefeito

A servidora, no entanto, esteve na Delegacia de Combate aos crimes de Corrupção (Deccor) na semana passada e afirmou que o vereador Abilio Júnior seria um dos participantes da armação.

Ela entregou vídeos ao delegado José Ricardo Garcia Bruno, sendo um deles de um encontro entre ela e o vereador Abilio no Hotel Delmond, em 26 de novembro, na presença de quatro advogados. No dia seguinte ao encontro ela fez as acusações contra Emanuel.



Tags

Deixe seu comentário!


Mais Notícias