Desafio é reestruturar órgão após Operação Polygonum, diz secretária do Sema-MT

'2019 foi um ano difícil, foi um ano de muitas implementações estruturantes para a secretaria de Estado do Meio Ambiente'.

em 13/01/2020

Gustavo Castro

Da Redação

Um dos objetivos da nova diretoria da Secretaria de Estado do Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema-MT) foi reestruturar a pasta, que na gestão do ex-governador Pedro Taques (PSDB), considerada complexa, marcada por escândalos e que resultou até em Operação: a Polygonum, que indiciaram 69 infratores ambientais. A investigação, que apurou fraudes ambientais, nasceu com denúncia de irregularidade no Sistema Mato-Grossense de Cadastro Ambiental Rural (CAR), resultando na primeira fase da operação, em agosto de 2018.

A secretária Mauren Lazaretti fez um balanço como líder da pasta no ano de 2019. Ela assumiu o órgão em um ano em que Mato Grosso bateu recordes de queimadas, principalmente na região Amazônica do estado, que teve mais de 21 mil focos de calor registrado, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Em agosto do ano passado, o Governo chegou até a decretar estado de emergência por conta dos incêndios.

Em entrevista à Rádio Capital FM nesta segunda-feira (13), Mauren diz que pretende reestruturar o nome do órgão não somente em Mato Grosso, mas em todo o país. "Falar de 2019 para a Sema e pro Governo do Estado de MT é bastante expressivo e importante. 2019 foi um ano difícil, foi um ano de muitas implementações estruturantes para a secretaria de Estado do Meio Ambiente. Nós iniciamos o governo com uma difícil missão após a Operação Polygonum. O Governo focou muito nesta reestruturação, não somente em Mato Grosso, mas perante o Brasil", apontou a secretária.

Outro ponto desafiador foi em relação as queimadas ambientais. Segundo Mauren, MT vem trabalhando constantemente para reduzir os incêndios florestais e lembrou que as queimadas é um mal que atinge o mundo todo.

 Em 2019, ainda de acordo com a líder do órgão, a Sema identificou que de 16 a 18% dos incêndios são iniciados em áreas indígenas, onde a secretaria não pode atuar, o fogo invade áreas privadas. Destacou ainda que há muita queimada urbana que invada áreas rurais. Mauren salientou que até agora mais infratores foram autuados.

Confira o áudio da entrevista abaixo:

Áudio


Tags

Deixe seu comentário!


Mais Notícias